Como selecionar uma empresa de traduções

O que é traduzir?

Definimos “tradução” como o processo de ler, compreender, interpretar, reescrever e transmitir uma mensagem original – com todas as suas sutilezas e significados – a um determinado público, em seu idioma nativo e no contexto de sua cultura. O tradutor é o elo entre o autor de um texto e um público que não conseguiria ter acesso essa mensagem sem a ajuda desse profissional.

Seja sua empresa multinacional ou brasileira com um pé no exterior, o contato com materiais em línguas estrangeiras, especialmente o inglês, é frequente. Alguns exemplos:

• Um website com versão em inglês é obrigatório para fabricantes que desejam abrir as fronteiras para seus produtos e serviços.
• A correspondência bem redigida e articulada com parceiros estrangeiros é uma medida de sua seriedade e profissionalismo.
• Programas de treinamento e avaliação de desempenho são enviados pela matriz para serem implementados no Brasil.
• Os advogados das matrizes de multinacionais desejam saber o conteúdo de contratos assinados no Brasil ou o andamento de processos na justiça e pedem esse material em inglês para sua análise.
• Balanços e notas de auditoria entram nos resultados consolidados do grupo e precisam ser traduzidos para o inglês ou para o idioma oficial da matriz da empresa.

Decidir que você precisa de serviços de tradução é uma coisa. Escolher uma empresa de traduções que esteja capacitada tecnicamente para entregar o que você precisa cumprindo prazos é outra.

Uma busca na internet com as palavras-chave “tradutor de espanhol” resultará em uma lista que provavelmente contém desde empresas de tradução sérias, estabelecidas, até estudantes fazendo “bico” no computador de casa. Esse é o motivo pelo qual os preços das traduções podem variar tanto a ponto de criar uma confusão na cabeça do comprador desavisado.

Como muitas coisas na vida, na maioria das vezes você tem o que paga ao adquirir serviços de tradução. E, mesmo pagando caro, não está livre de problemas se deixar de tomar algumas precauções básicas.

Abaixo damos algumas considerações que podem evitar pagar duas vezes pelo mesmo serviço.

1. O professor de inglês não é um tradutor e o tradutor não é um professor de inglês. A recepcionista bilíngue e a assistente que fala inglês também não são tradutoras, embora muitas vezes na prática isso seja exigido deles na busca de cortes de custos. Essas funções não são intercambiáveis: cada uma exige formação e habilidades distintas.

2. O tradutor capacitado para traduzir textos empresariais geralmente tem (muitos) anos de experiência anterior em multinacionais, em áreas específicas, como RH, Contabilidade ou Financeiro, conforme o ramo que se propõe a traduzir. E, além de tradutor, tem que assumir também a função de redator para produzir um texto leve e fluente, como se fala na vida real.

3. O comprador deve ter consciência de que qualquer pessoa pode se estabelecer como tradutor. Não há necessidade de diploma ou qualquer qualificação formal – por isso é importante pedir recomendações. Nesse sentido, destacamos a importância da indicação da parte de um amigo ou conhecido que trabalhe em outra empresa que já tenha passado por essa experiência, com bons resultados. Essa é uma maneira muito prudente de evitar comprar gato por lebre e pagar duas vezes pelo mesmo serviço.

4. Há diversas armadilhas na contratação de tradutores e explicações lógicas para tanta variação nos preços. Uma armadilha clássica é que muitos “tradutores” cobram mais barato (ou baixam seus preços para vencer a concorrência) porque simplesmente pegam o texto do cliente no idioma original, passam por uma “máquina” (tradutor automático), dão uma “arrumada” e entregam o trabalho. Leva dois minutos para passar na máquina e uma hora para dar uma pincelada no texto. Os resultados são péssimos, tipo “palavra em cima de palavra” e frequentemente ininteligíveis. A tradução profissional é artesanal. Cortar o preço pela metade e passar o texto por uma máquina é um preço extremamente caro por esse tipo de trabalho.

5. Pesar o custo/benefício é fundamental. Como qualquer outra decisão empresarial, é importante considerar o custo versus o retorno. Um treinamento gerencial de importância estratégica para a empresa, por exemplo, exige uma tradução irrepreensível, com constante comunicação com o responsável pelo projeto interno do cliente para acertar terminologias. Um material dessa importância traduzido por um principiante desavisado ou por um “passador de máquina” que não tem noção da dinâmica de uma entrevista de avaliação de desempenho ou sem visão espacial do que se passa em uma sala de treinamento pode ter um resultado desastroso. A tradução de um projeto de treinamento não pode abrir mão de com excelente qualidade, livre de erros, feita por tradutores nativos e versados na área, já que a tradução parte integrante do sucesso do empreendimento.

6. Para quem tem um volume razoável e constante, o caminho para o sucesso é formar uma parceria com sua empresa de tradução. O parceiro terceirizado tem que acumular conhecimentos sobre sua indústria, seus negócios, seus desafios e oportunidades. Tem que entender suas necessidades, suas pressões e saber colocar-se no seu lugar. Além disso, os materiais para tradução muitas vezes lidam com informações críticas da empresa, dados que não podem circular livremente no mercado. Daí a pertinência da parceria com sua empresa de tradução – você tem que ter CONFIANÇA em seu parceiro, saber que ele vai tratar suas informações com estrito sigilo. Isso é coisa de gente séria e profissional